Informativo semanal de noticias

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Pernambucanos vestem camisa do Brasil no basquete em cadeira de rodas


Edjunior conta que “a ficha dos Jogos ainda não caiu”
Os pernambucanos Edjunior José do Bomfim e Erick Epaminondas vestirão a camisa do Brasil no torneio do basquete em cadeira de rodas da Paralimpíada Rio-2016. A modalidade é uma das mais antigas do evento, estando presente em todas as edições. Foi, inclusive, protagonista de um dos primeiros torneios organizados pelo médico Ludwig Guttmann, considerado o “pai” do movimento paralímpico. O jogo é disputado por pessoas com alguma deficiência físico-motora, utilizando cadeiras de rodas adaptadas padronizadas conforme regras pré-definidas. O número de jogadores, as dimensões da quadra, altura das cestas e pontuação segue o padrão universal do esporte. O Brasil, que não se classificou para Londres-2012,  vem do tetracampeonato sul-americano e de vitórias em amistosos contra seleções imponentes, como Alemanha e Espanha. 

Amputação. Um diagnóstico difícil de ser recebido e inevitavelmente acompanhado de reflexões acerca do futuro. Até os 17 anos, a vida de Edjunior José do Bomfim era semelhante à de qualquer adolescente dessa faixa etária. As peladas de futebol, esporte que é uma paixão de nove entre dez meninos, era tradição na rotina dele. Edjunior engrossava as estatísticas daqueles que sonhavam com a carreira de jogador profissional. E se tornou, só que de outra modalidade, o basquete em cadei­ra de rodas. 

Em uma dessas peladas corriqueiras, ele acabou se machucando. Não deu tanta importância àquele edema que se formara em seu pé esquer­do, apenas fizera compressas de gelo. Só ao perceber a demora em melhorar foi que procurou um médico. Um tumor havia se formado e ele acabou submetido a uma biópsia. Um mês mais tarde, o resultado: tuberculose nos ossos. Edjunior preci­sou amputar a perna esquer­da, abaixo do joelho. Nes­se momento e no período imediatamente seguinte ao pro­cedimento, contou com o apoio incondicional da famí­lia, dos amigos e de Deus, que nunca o deixou perder a fé. 

Certo dia, ao encontrar um amigo jogador de basquete em cadeiras de rodas no ônibus, foi convidado para conhecer a modalidade. O time era o Leão Sobre Rodas, e a química entre Edjunior e o esporte fora imediata. Não demorou para ele começar a treinar com a equipe, conquistando de cara o vice-campeonato brasileiro. Viu, então, as portas abrirem através da profissão que escolheu seguir. Chegou a morar um ano no Rio, a convite de uma equipe carioca, e depois retornou ao Recife, para defender a ADDF. Atualmente, mora em Igarassu, mas defende o América Tigres, do Rio Grande do Norte, para onde vai às segundas e retorna às sextas. 

Aos 33 anos, Edjunior, que tem dois títulos sul-americanos no currículo atuando pela seleção brasileira, não esconde a ansiedade pela primeira participação na Paralimpíada. A ficha de que os Jogos começam em poucos dias ainda não caiu. Mesmo já tendo visitado e treinado nas instalações da modalidade, tudo soa como sonho. “Acho que só vou cair na real quando começarem os Jogos de fato, quando estiver em quadra, valendo. Fiquei muito feliz pela convocação. Vinha de uma boa temporada em 2015 e a Paralimpíada é o topo, uma realização para mim, para a minha família e amigos que nunca deixaram de me apoiar”, destaca o jogador, que é casado e tem um casal de filhos pré-adolescentes.
Fonte: Folha de Pernambuco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário